Frágil

Teatro de Marionetas do Porto · PT

10, 11, 12 Out · 10h, 15h
13 Out · 19h
14 Out · 16h

TeCA Teatro Carlos Alberto

45' · M3

© Susana Neves
© Susana Neves
© Susana Neves

Encenação e cenografia João Paulo Seara Cardoso e coletivo

Marionetas e objetos cénicos Rui Pedro Rodrigues

Figurinos Pedro Ribeiro

Sonoplastia Miguel Reis

Coordenação de movimento Isabel Barros

Desenho de luz Roy Peter

Animação vídeo Grifu

Interpretação Micaela Soares, Rui Queiroz de Matos, Vitor Gomes

Produção Sofia Carvalho

Operação técnica Filipe Azevedo

Assistente de produção Shirley Resende

Assistente de encenação Isabel Barros

Construção de cenografia, marionetas e objetos Rui Pedro Rodrigues, Nuno Valdemar Guedes

Confeção de figurinos Carla Pereira

Design gráfico Pedro Ribeiro

Gravação vídeo Ângelo Peres / Widescreen

Fotografia de cena Susana Neves

Coprodução Teatro de Marionetas do Porto / Artemrede

Uma coisa às vezes não é aquilo que ela é.

Às vezes as coisas gostam de ser outras coisas, por exemplo de serem como as pessoas. Gostam de se mexer, de rir, de gostar e de não gostar.

As pessoas/coisas e as coisas/pessoas servem para contar histórias.

No mundo Frágil, há histórias pequenas e grandes. As coisas querem ser levadas para lugares que não conhecem, e fazem pequenas e grandes viagens.

No mundo Frágil, há pessoas/coisas que procuram coisas/pessoas. Há segredos que não se desvendam, ou que ficam para desvendar, há um universo aberto e fechado. Há coisas que saem de dentro de outras coisas.

No mundo Frágil as regras não são o que são, são regras de imaginação!

 

 

O Teatro de Marionetas do Porto constitui-se em setembro de 1988, uma data simbólica que coincide com a apresentação da companhia na seleção oficial do Festival Mondial des Théâtres de Marionnettes, em Charleville-Mézières.

A prática teatral da companhia revela uma visão não convencional da marioneta.

A pesquisa vai no sentido de encontrar novas formas de conceção das marionetas, no limite objetos cinéticos, e novas possibilidades de explorar a gramática desta linguagem teatral, no que diz respeito à interpretação e à relação transversal com outras áreas de expressão como a dança, artes plásticas, música e a imagem.

 

Teatro Carlos Alberto

Rua das Oliveiras 43, Porto

223 401 900

Contactos

Travessa da Formiga nº 65
Espaço 1, Piso 1
4300-207 Porto
(+351) 223 320 419

financiamento
parceiros
parceiros
apoios
apoio à divulgação