Pulling Strings

Eva Meyer-Keller

15 Out, 21h e 23h

Mosteiro São Bento da Vitória – Sala do Tribunal

70' · M12
© Direitos reservados
© Direitos reservados
© Direitos reservados

Ideia Eva Meyer-Keller

Realizado em cooperação com Tomas Fredriksson, Sheena McGrandles, Irina Müller, Sybille Müller, Benjamin Schälike

Interpretação Sheena McGrandles, Eva Meyer-Keller, Björn Stegmann, Frederico Godinho, Catarina Gonçalves

Desenvolvimento dos sistemas de comandos Florian Bach, Ruth Waldeyer

Agradecimentos Andrea Keiz, Thomas Medowcroft, Rico Repotente

Direcção de produção Susanne Beyer, Alexandra Wellensiek

Uma produção Eva Meyer-Keller

Co-produção HAU, Kunstenfestivaldesarts Brussels, MDT Stockholm

Patrocinado por Hauptstadtkulturfonds

Apoiado por PACT Zollverein Essen

Um work-in-progess foi apresentado em Maio de 2012 em Berlim

Pulling Strings no quadro do FIMP é apoiado por Nationales Performance Netz (NPN) International Guest Performance Fund for Dance, que é financiado pelo Comissariado para a Cultura e Media do Governo Federal com base numa decisão do Governo Alemão.

npn logo

www.evamk.de

Na sua produção Pulling Strings, Eva Meyer-Keller toma, literalmente, os fios nas próprias mãos. No palco estão objectos que foram recolhidos dos bastidores, dos camarins, do armazém técnico e da cozinha: uma escada, uma vassoura, uma extensão eléctrica, uma planta, uma tesoura, uma garrafa térmica, fita e muitas coisas mais. Presos aos objectos estão fios que são puxados pelos performers e técnicos, pondo assim esta mistura de objectos em movimento. Um extintor faz piruetas, um tripé de microfone cai. O que à primeira vista parece ser muito simples, acaba por ser mais e mais complexo, inspirando a imaginação do espectador. Tal como em trabalhos anteriores como Death is Certain, Good Hands ou Bauen nach Katastrophen, Pulling Strings situa-se também na intersecção da performance, arte e teatro de objectos. A tónica, desta vez, está no aspecto coreográfico. Os objectos começam a dançar.

 

Eva Meyer-Keller (1972) vive e trabalha em Berlim.

Trabalha na interface da performance e das artes visuais. Antes de se graduar na School for New Dance Development (SNDO) em Amesterdão, estudou fotografia e artes visuais em Berlim (HdK) e Londres (Central St. Martins e Kings College).

O seu trabalho artístico distingue-se pela sua meticulosa atenção ao detalhe. Eva usa frequentemente objectos de todos os dias, que encontra à sua volta, coisas que encontra em casa, no supermercado ou no barracão das ferramentas. Isto confere, invariavelmente, ao trabalho uma estética doméstica, obsessiva. O seu método de trabalho é marcado por um desdém construtivo pela imposição de quaisquer barreiras entre as artes visuais e performativas.

O seu trabalho inclui as performances Death Is Certain (2002 – apresentado em mais de 200 salas, por todo o mundo), Pulling Strings (KunstenFestivaldesArts, Bruxelas, 2013), as instalações Volksballons (2004 Palast der Republik, 2013 Centre Pompidou-Metz) e Handmade (NGBK Berlim, Bonniers Konsthall Estocolmo, Palais de Tokyo Paris).

Eva desenvolve projeetos sozinha e em colaboração com outros artistas, como Uta Eisenreich, Sybille Müller e Kate McIntosh. Trabalha também como autora e performer com outros coreógrafos e trabalha como conselheira/ mentora dramatúrgica.

Trabalhou com Baktruppen, Jérôme Bel, Christine De Smedt/ les Ballets C de la B (9x9), Juan Dominguez, Kate McIntosh e Agnes Meyer-Brandis.

Desde 2010 ocupa posições de ensino em vários programas de graduação na Europa: HZT/UdK em Berlim, DOCH (Dans och Circus Högskolan) e o curso de mestrado 'The Autonimous Actor' em Estocolmo, ZHdk em Zurique. No semestre de inverno de 2013/14 foi professora convidada na universidade de Hildesheim.

Contactos

Travessa da Formiga nº 65
Espaço 1, Piso 1
4300-207 Porto
Portugal

(+351) 223 320 419

apoios
apoios
apoios
apoios
apoios