À procura de Lem

Teatro de Ferro

14 Out · 10h30, 15h
15 Out · 15h, 17h

TM Campo Alegre – Auditório

45' · M12
© Manuel Ruas Moreira, TdF
© Manuel Ruas Moreira, TdF
© Manuel Ruas Moreira, TdF
© Manuel Ruas Moreira, TdF

Encenação e cenografia Igor Gandra
Dramaturgia e realização Saguenail
Texto Regina Guimarães
Música e Sonoplastia Hélder Marciano, Igor Gandra
Caracterização e efeitos especiais Ricardo Graça, Júlio Alves
Vídeo de cena, imagem e edição Riot Films
Desenho de luz Teatro de Ferro, Mariana Figueroa
Interpretação Carla Veloso, Dóris Marcos, Igor Gandra, Igor Silva, João César, Rita Trigo, Viriato Morais
Oficina de construção Hernâni Miranda (coordenação e realização plástica), Américo Castanheira, Ana Ferreira (costura), Luísa Natário, Pedro Esperança, Carlota Gandra, Daniel Cardoso (estagiário – Escola Profissional do Centro Juvenil de Campanhã), João César e Igor Silva (estagiários – Chapitô)
Co-produção CCB / Fábrica das Artes e Teatro Municipal do Porto
Agradecimentos Susana Veloso, Bohdan Sebestik, Freddy Dejonghe, Robert Glassburner, Sítio do Cano Amarelo
O Teatro de Ferro é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura, Direção-Geral das Artes

www.teatrodeferro.com

Stanislaw Lem (1921-2006), o escritor polaco em torno do qual este espectáculo foi construído, é uma figura literária famosa e publicada no mundo inteiro em colecções de cariz popular e, ao mesmo tempo, um autor paradoxalmente desconhecido. Para esta equipa reunida pelo Teatro de Ferro tratava-se pois, de fabricar um objecto que despertasse a curiosidade pelo legado de Lem e pelas inquietações de que os seus livros são portadores. O espectador é (e não é) apenas um espectador. "À Procura de Lem" é um espectáculo, um jogo, uma aventura e uma experiência simultaneamente divertida e perturbadora. Uma outra forma de imaginar o mundo (actual e futuro) através do teatro e das suas máscaras.

 

 

O  Teatro de Ferro surgiu  em 1999. Criado inicialmente como um rótulo para as criações de Igor Gandra e Carla Veloso, o projecto foi evoluindo gradualmente para a condição de estrutura profissional de criação.

A escolha deste nome – Teatro de Ferro – pressupõe uma noção de matéria primordial, resistente e ao mesmo tempo mutável,: este processo de transformação continua a inspirar-nos.

O trabalho da Companhia tem sido desenvolvido no campo do teatro de e com marionetas e objectos. Concebemos a nossa prática numa lógica de investigação em que a marioneta tem assumido um valor matricial, nas suas hibridações possíveis, tentadas e tentadoras.

As relações, do corpo-intérprete com o objecto manipulado e a implicação de cada espectador na construção desta relação, são linhas de reflexão transversais à prática artística do TdF.

Os espectáculos realizados devem ser inscritos nas formas teatrais e dramatúrgicas que colocam a palavra num plano de igualdade em relação a outras linguagens. A promoção da dramaturgia contemporânea portuguesa é um traço caracterizador do nosso projecto artístico, pelo que a companhia tem trabalhado principalmente com textos originais de autores portugueses.

O TdF tem vindo a alcançar públicos heterogéneos. As parcerias improváveis, a procura de contextos alternativos aos circuitos das artes do espectáculo, a intensa actividade itinerante, a criação destinada aos mais jovens e os projectos de acção cultural são os nossos gestos mais claros, assim afirmamos este desejo plural de partilha.

O Teatro de Ferro tem sido apoiado, desde 2003, pelo Ministério da Cultura/Direcção-Geral das Artes.

Contactos

Travessa da Formiga nº 65
Espaço 1, Piso 1
4300-207 Porto
Portugal

(+351) 223 320 419

apoios
apoios
apoios
apoios
apoios